segunda-feira, 24 de julho de 2017

[Novidades das Editoras] Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá - Lima Barreto | Ateliê Editorial


O escritor carioca Lima Barreto será o homenageado da 15ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty / FLIP, que acontece nos dias 26 a 30 de julho de 2017. Uma de suas obras, Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá, foi recentemente publicada pela Ateliê Editorial, e o público da FLIP poderá participar do lançamento no dia 27 de julho (quinta-feira) na Livraria das Marés

Aliás, nossa colunista Mich Fraga estará acompanhando de perto a FLIP, e logo logo compartilhará aqui no blog um vídeo sobre a obra do autor e também impressões deste festival literário :)


Sobre a obra: Lima Barreto iniciou o projeto de Vida e Morte de M J Gonzaga de Sá em 1906, mas o livro só foi publicado mais de uma década depois, em 1919. Isso porque, com dois projetos de romances em mãos – Vida e Morte e Recordações do Escrivão Isaías Caminha – o carioca resolve apresentar Recordações para seu editor. A razão está em uma carta de Lima Barreto a Gonzaga Duque: “Era um tanto cerebrino, o Gonzaga de Sá, muito calmo e solene, pouco acessível, portanto. Mandei as Recordações do Escrivão Isaías Caminha, um livro desigual, propositalmente malfeito, brutal por vezes, mas sincero sempre”.

De fato, Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá é um romance com um enredo mínimo  e voltado a questões filosóficas e existenciais. O narrador, Augusto Machado, assume uma postura de discípulo de Gonzaga de Sá, um velho funcionário público, e faz do romance uma espécie de uma biografia deste, reproduzindo conversas  sobre vários temas do cotidiano da cidade e sobre as reformas urbanísticas que estavam em curso no início do século na cidade do Rio de Janeiro. Neste ponto: “Lima Barreto apresenta no livro uma visão histórica que se opunha à visão Positivista (teleológica) que predominava em nosso meio intelectual. Quando havia um coro favorável a soterrar nosso passado colonial, ele trazia uma noção relativa do belo e de uma história que não devia ser lida de maneira linear”, explica o organizador.

Apesar da morte prematura, aos 41 anos, o legado de Lima Barreto à literatura brasileira é de grande importância. Por isso, discutir sua obra e colocar sua produção literária à disposição do público é bastante significativo. “[...]Vida e Morte não mereceu tanta atenção da crítica, dos leitores e do mercado editorial – gerando uma espécie de ciclo de esquecimento. Espero que a partir desta edição possamos ver novos estudos sobre esta importante obra”, conclui Scheffel.

Be First to Post Comment !
Postar um comentário