[Novidades das Editoras] 12 Regras para a vida - Jordan Peterson | Alta Books

maio 24, 2018

"Em vez de protestar e tentar mudar o mundo, primeiro ganhe a guerra do mal dentro de você. Para fazer do mundo um lugar melhor primeiro, faça as coisas que você tem que fazer todos os dias. E as faça - todos os dias."

12 Regras para a Vida: Um antídoto para o caos, de Jordan Peterson, é um dos lançamentos mais esperados da Editora Alta Books! O livro trata de questões simples e práticas relacionadas às liberdades individuais e à busca de sentido para a vida.

Neste livro, Jordan oferece doze princípios profundos e práticos sobre como viver uma vida com significado:

- Costas eretas, ombros pra trás
- Cuide de si mesmo como cuidaria de alguém sob sua responsabilidade
- Seja amigo de pessoas que queiram o melhor para você
- Compare a si mesmo com quem você foi ontem, não com quem outra pessoa é hoje
- Não deixe que seus filhos façam algo que faça você deixar de gostar deles
- Deixe sua casa em perfeita ordem antes de criticar o mundo
- Busque o que é significativo, não o que é conveniente
- Diga a verdade ou, pelo menos, não minta
- Presuma que a pessoa com quem está conversando possa saber algo que você não sabe
- Seja preciso no que diz
- Não incomode as crianças quando estão andando de skate
- Acaricie um gato ao encontrar um na rua

Para mais informações, acesse: http://12regrasparaavida.com.br




Sinopse da Editora:

Quais as coisas mais valiosas que todos deveriam saber?

Aclamado psicólogo clínico, Jordan Peterson tem influenciado a compreensão moderna sobre a personalidade e, agora, se transformou em um dos pensadores públicos mais populares do mundo, com suas palestras sobre tópicos que variam da bíblia, às relações amorosas e à mitologia, atraindo dezenas de milhões de espectadores. Em uma era de mudanças sem precedentes e polarização política, sua mensagem franca e revigorante sobre o valor da responsabilidade individual e da sabedoria ancestral tem ecoado em todos os cantos do mundo.

Bem-humorado, surpreendente e informativo, dr. Peterson nos conta por que meninos e meninas andando de skate devem ser deixados em paz, que terrível destino aguarda aqueles que criticam com muita facilidade e por que você sempre deve acariciar gatos ao encontrar um na rua. O que o sistema nervoso das humildes lagostas tem a nos dizer sobre a relação entre manter as costas eretas (e os ombros para trás) e o sucesso na vida? Por que os antigos egípcios veneravam a capacidade de atenção como seu deus mais supremo? Que terríveis caminhos as pessoas percorrem quando se tornam ressentidas, arrogantes e vingativas?

A partir de exemplos vívidos de sua prática clínica e vida pessoal, bem como de lições extraídas das histórias e mitos mais antigos da humanidade, 12 Regras para a Vida oferece um antídoto para o caos em nossas vidas: verdades eternas aplicadas aos nossos problemas modernos.

“Cada um de nós deve aceitar tanta responsabilidade quanto possível por nossas vidas, pela sociedade e pelo mundo. Cada um de nós deve dizer a verdade e corrigir o que está errado e quebrado, recriando o que está velho ou desatualizado. É dessa forma que podemos e devemos reduzir o sofrimento que envenena o mundo”, afirma Peterson.



The Girl from Everywhere - Heidi Heilig | Editora Morro Branco | Por Luana Souza

maio 21, 2018

Oi! Voltei pra esse blog que amo tanto com mais um resenha (que, por sinal, deveria ter sido postada há meses, sorry). O livro da vez é uma aventura. Foi o primeiro livro finalizado da minha tbr da Maratona Literária de Outono de 2018 :)


Sinopse: Uma história de viagem no tempo para os fãs de Outlander e A Rebelde do Deserto. Nix é uma viajante do tempo. Ela e seu pai, Slate, velejam a bordo do Temptation, um navio pirata repleto de tesouros. Ao longo do caminho eles encontram amigos, uma tripulação de refugiados do tempo e até mesmo um charmoso ladrão que pode significar muito mais para Nix.

Tudo que Slate precisa é um mapa certo para viajar a qualquer tempo e lugar, real ou imaginário: seja para a China no século 19; terras vindas direto das Mil e Uma Noites ou até mesmo uma mítica versão da África.

Apesar das inúmeras possibilidades, o pai de Nix está obcecado com um mapa específico: Honolulu, 1868 – o ano de nascimento de Nix e a última vez em que ele viu sua esposa viva. E, por uma chance de reencontrá-la mais uma vez, Slate está disposto a sacrificar tudo e a todos.

Quando o desejado mapa aparece, Nix vê sua própria existência em perigo e agora deve descobrir o que quer, quem é, e aonde realmente pertence, antes que seu tempo acabe.

Para sempre.


Eu me animei com a leitura desse livro assim que li a sinopse, mas acabei abandonando o livro por um tempo depois das primeiras 70 páginas, pois elas não conseguiram me prender como gostaria. Mas, como estava determinada a lê-lo ainda esse mês, embarquei novamente no Temptation e não me arrependo. Acredito que o começo se torna um pouco lento porque não conhecemos nada das filosofias de viagem no tempo que essa tripulação faz, e a autora faz questão de tratar os leitores como se já fossem ótimos conhecedores hehe.

Eu adoro livros com esse tema e, confesso, quanto mais maluco for o modo de viajar no tempo, melhor! A grande diferença das viagens de The Girl from Everywhere para outros que já li é que eles podem ir para lugares fictícios. Basta ter o mapa certo. Isso é tão legal!

A história vai se tornando mais instigante a cada capítulo, embora as coisas pareçam um pouco confusas. Acabei que terminei o livro sem nem perceber. Os capítulos são curtos, e a protagonista é a uma garota forte e inspiradora, mas que não nega suas angustias quanto a não saber o que será dela caso seu pai consiga realizar a viagem que tanto anseia.

Algo que eu achei que pudesse me incomodar era o triângulo amoroso. Tenho um pequeno receio quando encontro esse tipo de situação nas histórias, mas, ao contrário de muitos por aí que me deixaram com raiva, esse não me incomodou. É algo natural, espontâneo, e realmente necessário para que a protagonista consiga se conhecer melhor. A autora não tornou essa questão a grande questão da vida de Nix, e isso é ótimo, pois relacionamentos não precisam ser o centro da vida de uma pessoa.

“Não sou uma dama, Blake. Sou uma marinheira."



É um livro para pessoas que realmente gostam de viagens no tempo, aventuras e um pouquinho de romance. Alguém que não está acostumado pode acabar não gostando muito. O título faz jus à história, pois, apesar de tudo o que acontece ao longo da narrativa, nossa protagonista está tentando achar seu lugar no mundo e descobrir quem é de verdade!

“Quando você sabe para onde vai, e tem certeza de que é para lá que deve ir, precisa desistir de onde veio. Tem que olhar para a frente, manter a terra a vista e não olhar para trás."


Gostaria de enaltecer o trabalho gráfico feito pela Editora Morro Branco. A capa é linda, mesmos sendo de brochura, e eu adorei a ideia de manter o título em inglês (todos que me viam lendo perguntavam se eu estava lendo um livro gringo hehe). Todo início de capítulo tem detalhes que remetem a constelações, e a folha de guarda também tem ilustrações. A cada livro que leio eu me encanto mais pela editora ❤ 


“Paraíso é uma promessa que nenhum deus se incomoda de cumprir. Só existe o agora, e amanhã nada será igual, gostemos disso ou não."


Alguém aí já leu? Quem também gosta do tema? Adoraria poder conversar com vocês sobre essa história nos comentários. Ah, se alguém quiser saber mais sobre a minha pessoinha, basta acessar o blog memorialices ;)

Obrigada por tudo, pessoal! L, ❤

Gosta de Young Adult e Ficção? Conheça estes 2 lançamentos da Editora Rocco

maio 15, 2018

Dia de curtir uma vitamina D e curtir os recebidos aqui do Blog! Dentre os lançamentos de abril/maio da Rocco, selecionamos dois titulos dos selos young adult da editora para compartilhar aqui com vocês. Vamos conhecer estas novas leituras? :)


Um ano solitário - Alice Oseman

A adolescência é um período desconcertante. Cruel, surpreendente, melancólico – tudo ao mesmo tempo – e poucos autores conseguem escrever sobre essa fase de forma sincera e inteligente. Não por acaso, Um ano solitário, de Alice Oseman, é comparado com o marco da literatura sobre as angústias juvenis: um Apanhador no campo de centeio da era digital, segundo o jornal britânico The Times.

O livro de estreia da jovem autora britânica, publicado quando Alice Oseman tinha 19 anos, retrata o que é ser adolescente nos dias de hoje: a falta de motivação no espaço escolar, transtornos alimentares e psicológicos e a internet como espaço de fuga – que se somam às tradicionais paixões escolares e dramas familiares.

Estudante do penúltimo ano do ensino médio, Tori Spring tem amigos dos quais não gosta, ouve músicas deprimentes e escreve em um blog sobre seu pessimismo crônico. Até que, em um dia como qualquer outro, ela segue uma trilha de post-its que a levam de seu armário na escola até o laboratório de informática. Na sala deserta, uma mensagem fala sobre um misterioso grupo chamado “Solitaire”, em referência ao jogo de cartas “Paciência”, com o qual a adolescente costuma passar o tempo durante o recreio e horários vagos. Também nesse dia, ela conhece o sempre esfuziante Michael Holden, aluno novo na escola, que parece determinado em tornar-se seu amigo.

De início, o Solitaire pouco a interessa, mas as brincadeiras e jogos que o grupo promove envolvendo toda a escola tornam-se progressivamente mais perigosas. E o mais estranho: relacionam-se cada vez mais com os dilemas da vida de Tori. Para solucionar o quebra-cabeça que se forma, a adolescente vai descobrir que precisa mais dos amigos e familiares do que gostaria de reconhecer. Um ano solitário é uma resposta de Alice Oseman para personagens como Holden Caulfield, de O Apanhador no campo de centeio, e Charlie, de As vantagens de ser invisível. Um livro sobre amizades, descobertas e sobre aprender que uma pessoa pode mudar tudo.


Warcross - Marie Lu

Um jogo de realidade virtual que faz parte da rotina de milhões de pessoas em todo o planeta é o fio condutor de Warcross, novo livro de Marie Lu. A aclamada autora da trilogia Legend aproveita sua experiência na indústria de videogames para criar um suspense de ficção científica que promete fisgar os leitores, especialmente os mais jovens. Centrada na hacker adolescente Emika Chen, que trabalha como caçadora de recompensas, a história usa como cenário as cidades de Nova York e Tóquio para mostrar um universo em que a tecnologia vira entretenimento de massa e funciona como válvula de escape.

Quem vê Emika Chen andando por Nova York pensa estar diante de uma adolescente como outra qualquer: cabelos coloridos, tatuagens, roupas surradas, mochila nas costas, um skate e olhos atentos ao celular. Mas a realidade dela em nada se parece com a da maioria das pessoas de sua idade: com o aluguel atrasado e um aviso de despejo pregado na porta, a jovem órfã usa suas habilidades de hacker para exercer a arriscada função de caçadora de recompensas, entregando para a polícia criminosos considerados menos perigosos.

Quando a caçada que poderia pagar suas contas dá errado, Emika volta para casa, liga a TV e tenta se distrair fazendo a mesma coisa que milhões de espectadores ao redor do mundo: acompanhar a abertura do campeonato oficial de Warcross, um jogo de realidade virtual bastante popular criado por Hideo Tanaka, o bilionário dono da Henka Games. Sem conseguir esquecer seus problemas financeiros, a adolescente decide se arriscar hackeando a partida e roubando um item que pode valer 15 mil dólares no mercado de compra e venda da comunidade de jogadores. Mas a tentativa, que parecia ter sido um sucesso, acaba falhando, expondo a identidade da jovem.

Apavorada e certa de que seria presa, Emika decide ignorar ligações e mensagens recebidas no celular, pedindo que entrasse em contato. Ao ver repórteres na porta do prédio onde mora e descobrir que o número a ser discado é da filial da Henka Games em Manhattan, a hacker entrega os pontos, achando que irá falar com advogados da empresa. Para a surpresa dela, do outro lado da linha está o famoso Hideo Tanaka, com uma proposta de trabalho. Em vez de levá-la ao banco dos réus, ele quer a adolescente em Tóquio.

Aos 13 anos, Tanaka se transformou em um gênio adolescente ao inventar o jogo Warcross e os óculos NeuroLink, que permitem ao usuário criar mundos virtuais indistinguíveis da realidade. Quase uma década depois, o bem-sucedido empresário está às voltas com uma pessoa misteriosa, capaz de alterar as linhas de código e mexer na programação do Warcross. Por isso, ele precisa de Emika: nada melhor do que uma hacker talentosa para identificar quem tem burlado a segurança do sistema.

Ao aceitar a missão, Emika parece estar em um sonho: recebe roupas e acessórios das melhores marcas, fica hospedada em lugares luxuosos, ganha itens de última geração da Henka Games e conhece as estrelas do Warcross, de quem será companheira de time. Conforme a investigação avança, fica a dúvida no ar: será que o ameaçador Zero é mesmo o vilão? Haverá outros jogadores envolvidos em uma trama sinistra? Embarque na aventura criada por Marie Lu e descubra.