Anatomia de Julho #3 | Por Jonatas T. B.

by - 08:14:00



Dos sentidos

Respira o ar que sai da boca. O próprio perfume lhe basta. Há ocasiões em que o coração engole o sangue; as mãos e a postura fremem. O poro abre de repente: a pele exala jasmim e enxofre. Os segundos se abatem na impostura das aves aos beirais do prédio. Em favor do instante, ninguém atravessa o corredor. Ninguém passa por nós.

Quando mal a boca transborda água. Dentro dela, duas tempestades sucedem ao toque. Não se enxerga sob as dunas de névoa algum continente. Apenas montanha de cinzas. Dois caprinos duelam à beirada da rocha. A ponta dos chifres fere o flanco dos céus em sua queda.

O lábio da concha se abre.

Os corredores se incendeiam. Entre dentes, retém sabor de morangos. Fecho os olhos e vejo o sorriso tateando minhas digitais, um vitral colorido no escuro. Agarro-me à rede feita de cabelo ao redor do rosto. Sob as unhas guarda minha pele e meu sangue.

A língua lança uma pedra.

Estilhaça a janela do santuário.


Por Jonatas T. B. | Agosto 2017


Post anteriores: #2 | #1

You May Also Like

0 comentários

Visitas